Hong Kong Minister Resigns After Attending 200-Person Karaoke, Tapas Party Amid Covid Crackdown


Ministro de Hong Kong renuncia após ir a karaokê para 200 pessoas e festa de tapas

Três dias antes da festa, o chefe de saúde da cidade pediu ao público que evitasse grandes grupos.

Hong Kong:

Um ministro do gabinete de Hong Kong renunciou na segunda-feira por participando de uma festa de aniversário ao lado de dezenas de funcionários e legisladores apenas alguns dias depois que o governo da cidade pediu às pessoas que evitassem grandes reuniões para combater um surto de coronavírus.

“Hoje apresentei minha renúncia ao chefe do Executivo e pretendo deixar o cargo hoje”, disse o ministro do Interior, Caspar Tsui, em comunicado.

“Como um dos principais oficiais que lidera a luta anti-epidemia, não dei o melhor exemplo durante o recente surto”, acrescentou.

A renúncia de Tsui é um golpe para a administração da chefe-executiva Carrie Lam, cujo tempo no cargo foi marcado por enormes protestos pró-democracia e uma subsequente repressão à dissidência que transformou Hong Kong.

A festa de aniversário de 3 de janeiro em um restaurante de tapas para Witman Hung, membro do principal órgão legislativo da China, tornou-se uma fonte de constrangimento para Lam, já que seu governo segue uma política rígida de “zero-Covid” semelhante à de Pequim.

A lista de convidados surgiu depois que as autoridades de saúde rastrearam uma pessoa infectada até a festa.

Entre as mais de 200 pessoas presentes estavam mais de uma dúzia de altos funcionários – incluindo a polícia da cidade, chefes de imigração e anticorrupção – bem como 20 legisladores.

Embora a festa não fosse ilegal na época sob as rígidas regras de distanciamento social de Hong Kong, o chefe de saúde da cidade havia alertado as pessoas três dias antes para evitar grandes grupos.

Lam disse que as autoridades não deram o exemplo e ordenaram uma investigação.

Tsui, de 45 anos, era uma estrela política em ascensão preparada pelo maior partido pró-Pequim de Hong Kong, o DAB, que prosperou ainda mais sob um novo sistema político “apenas patriotas” imposto por Pequim que criminalizou grande parte da oposição tradicional pró-democracia.

Hong Kong tem mantido o coronavírus sob controle por meio de algumas das regras de Covid mais rígidas do mundo, incluindo longas quarentenas obrigatórias para todas as chegadas, restrições a reuniões públicas e uso obrigatório de máscaras em público, além de comer.

Fotos da festa vazadas para a mídia local mostraram participantes cantando karaokê e posando para fotos em grupo sem usar máscaras.

Desde a festa de tapas, vários outros grupos das variantes de coronavírus Omicron e Delta foram detectados, levando à reimposição de restrições mais duras, incluindo o fechamento de academias e bares e forçando os restaurantes a servir apenas comida à noite.

Os habitantes de Hong Kong não podem escolher seus líderes – fonte de anos de protestos pró-democracia – e é raro que membros do gabinete renunciem.

Enquanto fazia campanha para o cargo mais alto, Lam disse que deixaria o cargo se perdesse o apoio popular. Seu governo teve índices de aprovação consistentemente baixos, chegando a 18% durante os protestos pela democracia em 2019.

Um novo chefe-executivo será escolhido por um pequeno comitê de partidários de Pequim no final de março.

Lam não disse se buscará um segundo mandato e Pequim ainda não deu um aceno ao seu candidato preferido.

(Exceto pela manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed sindicado.)



Source link

Leave a Comment