Record-Breaking 770-KM Megaflash Lightning Detected In North And South America


Recorde Mundial Relâmpago nos EUA.  É Comprimento: De Londres a Hamburgo

Novo recorde para o megaflash mais longo detectado, medido no sul dos EUA em abril de 2020. (Representacional)

Genebra:

Um único relâmpago nos Estados Unidos há quase dois anos cortou o céu por quase 770 quilômetros, estabelecendo um novo recorde mundial, disse a Organização das Nações Unidas na terça-feira.

O novo recorde para o megaflash mais longo detectado, medido no sul dos EUA em 29 de abril de 2020, se estendeu por 768 quilômetros, ou 477,2 milhas, pelo Mississippi, Louisiana e Texas.

Isso equivale à distância entre Nova York e Columbus, Ohio, ou entre Londres e a cidade alemã de Hamburgo, apontou a Organização Meteorológica Mundial (OMM) da ONU em comunicado.

Esse raio ziguezagueou cerca de 60 quilômetros além do recorde anterior, estabelecido no sul do Brasil em 31 de outubro de 2018.

O comitê de especialistas em clima e extremos climáticos da OMM também relatou um novo recorde mundial para a duração de um relâmpago.

Um único flash que se desenvolveu continuamente através de uma tempestade sobre o Uruguai e o norte da Argentina em 18 de junho de 2020 durou 17,1 segundos – 0,37 segundos a mais que o recorde anterior estabelecido em 4 de março de 2019, também no norte da Argentina.

– ‘Extremos ainda maiores’ –

“Estes são registros extraordinários de eventos de relâmpagos únicos”, disse Randall Cerveny, relator da OMM de clima e extremos climáticos, no comunicado.

“Extremos ambientais são medidas vivas do poder da natureza, bem como o progresso científico em poder fazer tais avaliações”, disse ele.

A tecnologia usada para detectar a duração e a duração dos relâmpagos melhorou dramaticamente nos últimos anos, permitindo registros muito maiores do que o normal.

Os registros anteriores de “megaflash”, de 2018 e 2019, foram os primeiros verificados com a nova tecnologia de imagens de raios de satélite e foram mais que o dobro dos registros anteriores usando dados coletados de tecnologia terrestre.

“É provável que ainda existam extremos ainda maiores e que possamos observá-los à medida que a tecnologia de detecção de raios melhorar”, disse Cerveny.

A OMM destacou que os novos ataques recordes aconteceram nas Grandes Planícies da América do Norte e na bacia do Prata na América do Sul, conhecidas como hotspots das chamadas tempestades do Sistema Convectivo de Mesoescala (MCS), que permitem megaflashes.

Ressaltou que os flashes que estabeleceram os novos recordes não foram eventos isolados, mas ocorreram durante tempestades ativas e de grande escala, tornando-as ainda mais perigosas.

“Os relâmpagos são um grande perigo que ceifa muitas vidas todos os anos”, disse o chefe da OMM, Petteri Taalas, no comunicado.

“As descobertas destacam importantes preocupações de segurança pública de raios para nuvens eletrificadas, onde os flashes podem percorrer distâncias extremamente grandes”.

A OMM apontou que os únicos locais seguros para raios são grandes edifícios com fiação e encanamento, ou veículos totalmente fechados com tampo de metal.

A agência da ONU mantém registros globais oficiais para uma série de estatísticas relacionadas ao clima, incluindo temperatura, chuva e vento.

Todos esses registros são armazenados no Arquivo WMO de Clima e Extremos Climáticos.

O arquivo atualmente inclui dois outros extremos relacionados a raios.

Um é para a maioria das pessoas mortas por um único raio direto, quando 21 pessoas morreram no Zimbábue em 1975 enquanto se amontoavam em segurança em uma cabana que foi atingida.

A outra é por um ataque indireto, quando 469 pessoas morreram em Dronka, no Egito, quando um raio atingiu um conjunto de tanques de petróleo em 1994, fazendo com que o óleo em chamas inundasse a cidade.



Source link

Leave a Comment