US Lays Out Most Detailed Case Yet Against Unlawful China Maritime Claims


EUA apresentam caso mais detalhado até agora contra alegações marítimas 'ilegais' da China

O Mar da China Meridional abriga valiosos depósitos de petróleo e gás e rotas marítimas (Representacional)

Washington:

Os Estados Unidos apresentaram na quarta-feira seu caso mais detalhado até agora contra as alegações “ilegais” de Pequim no Mar do Sul da China, rejeitando as bases geográficas e históricas de seu vasto e divisivo mapa.

Em um artigo de pesquisa de 47 páginas, o Departamento de Oceanos e Assuntos Científicos e Ambientais Internacionais do Departamento de Estado disse que a China não tem base na lei internacional para alegações que colocaram Pequim em rota de colisão com Filipinas, Vietnã e outras nações do Sudeste Asiático.

“O efeito geral dessas reivindicações marítimas é que a RPC reivindica ilegalmente a soberania ou alguma forma de jurisdição exclusiva sobre a maior parte do Mar do Sul da China”, disse o jornal, referindo-se à República Popular da China.

“Essas alegações minam gravemente o estado de direito nos oceanos e várias disposições universalmente reconhecidas do direito internacional refletidas na Convenção”, disse, referindo-se a um tratado da ONU de 1982 sobre o direito do mar ratificado pela China – mas não pelos Estados Unidos. Estados.

Ao divulgar o estudo, um comunicado do Departamento de Estado pediu novamente a Pequim “cessar suas atividades ilegais e coercitivas no Mar da China Meridional”.

O artigo é uma atualização de um estudo de 2014 que também contestou a chamada “linha de nove traços” que forma a base de grande parte da posição de Pequim.

Em 2016, um tribunal internacional ficou do lado das Filipinas em suas queixas sobre as reivindicações da China. Pequim respondeu oferecendo novas justificativas, inclusive dizendo que a China tinha “direitos históricos” sobre a área.

O jornal do Departamento de Estado disse que tais alegações com base histórica “não têm base legal” e que a China não ofereceu detalhes.

Também questionou as justificativas geográficas para as alegações da China, dizendo que mais de 100 recursos que Pequim destaca no Mar da China Meridional estão submersos pela água durante a maré alta e, portanto, estão “além dos limites legais do mar territorial de qualquer estado”.

Pequim cita essas características geográficas para reivindicar quatro “grupos de ilhas”, que o estudo do Departamento de Estado disse que não atendem aos critérios para as linhas de base da convenção da ONU.

O relatório foi divulgado à medida que os Estados Unidos desafiam cada vez mais a China no cenário global, identificando o crescente poder comunista como sua principal ameaça de longo prazo.

Em 2020, o então secretário de Estado Mike Pompeo apoiou explicitamente as reivindicações das nações do Sudeste Asiático no Mar da China Meridional, indo além da postura anterior dos EUA de desafiar a China sem questionar quais países estavam certos.

O Mar da China Meridional abriga valiosos depósitos de petróleo e gás e rotas marítimas, e os vizinhos de Pequim frequentemente manifestam preocupação de que seu vizinho gigante esteja buscando expandir seu alcance.

(Esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é gerada automaticamente a partir de um feed distribuído.)



Source link

Leave a Comment