World-Renowned Kenyan Conservationist Richard Leaky Dies At 77


O conservacionista queniano de renome mundial Richard Leaky morre aos 77 anos

O conservacionista queniano de renome mundial Richard Leakey nasceu em 19 de dezembro de 1944

Nairobi:

O conservacionista queniano de renome mundial e caçador de fósseis Richard Leakey, cujas descobertas inovadoras ajudaram a provar que a humanidade evoluiu na África, morreu no domingo aos 77 anos, disse o presidente do país.

O lendário paleoantropologista permaneceu ativo até os 70 anos, apesar dos surtos de câncer de pele, doenças renais e hepáticas.

“Esta tarde … recebi com profunda tristeza a triste notícia do falecimento do Dr. Richard Erskine Frere Leakey”, disse o presidente Uhuru Kenyatta em um comunicado no domingo.

Nascido em 19 de dezembro de 1944, Leakey foi destinado à paleoantropologia – o estudo do registro fóssil humano – como filho do meio de Louis e Mary Leakey, talvez os mais famosos descobridores de hominídeos ancestrais do mundo.

Inicialmente, Leakey tentou guiar safáris, mas as coisas mudaram quando, aos 23, ele ganhou uma bolsa de pesquisa da National Geographic Society para escavar nas margens do lago Turkana, no norte do Quênia, apesar de não ter nenhum treinamento arqueológico formal.

Na década de 1970, ele liderou expedições que recalibraram a compreensão científica da evolução humana com a descoberta dos crânios do Homo habilis (1,9 milhão de anos) em 1972 e do Homo erectus (1,6 milhão de anos) em 1975.

Seguiu-se a capa da revista TIME mostrando Leakey posando com uma maquete do Homo habilis sob o título “Como o homem se tornou homem”. Então, em 1981, sua fama cresceu ainda mais quando ele liderou “The Making of Mankind”, uma série de televisão de sete episódios da BBC.

No entanto, a descoberta de fóssil mais famosa ainda estava por vir: a descoberta de um esqueleto de Homo erectus quase completo e extraordinário durante uma de suas escavações em 1984, que foi apelidada de Garoto Turkana.

Lutando contra caçadores de marfim

Quando a matança de elefantes africanos atingiu um crescendo no final da década de 1980, impulsionada pela demanda insaciável por marfim, Leakey emergiu como uma das principais vozes do mundo contra o então comércio legal global de marfim.

O presidente Daniel arap Moi em 1989 nomeou Leakey para liderar a agência nacional de vida selvagem – que logo se chamaria Serviço de Vida Selvagem do Quênia, ou KWS.

Naquele ano, ele foi o pioneiro de uma manobra publicitária espetacular, queimando uma pira de marfim, ateando fogo a 12 toneladas de presas para enfatizar que elas não têm valor depois de retiradas dos elefantes.

Ele também manteve a calma, sem desculpas, ao implementar uma ordem de atirar para matar contra caçadores ilegais armados.

Em 1993, seu pequeno avião Cessna caiu no Vale do Rift, onde ele fez seu nome. Ele sobreviveu, mas perdeu as duas pernas.

“Havia ameaças regulares para mim na época e eu morava com guardas armados. Mas tomei a decisão de não ser dramaturgo e disse: ‘Eles tentaram me matar.’ Eu escolhi seguir com a vida “, disse ele ao Financial Times.

Leakey foi forçado a deixar o KWS um ano depois e começou uma terceira carreira como um proeminente político da oposição, juntando-se ao coro de vozes contra o regime corrupto de Moi.

Sua carreira política teve menos sucesso, porém, e em 1998 ele estava de volta ao rebanho, nomeado por Moi para chefiar o serviço público do Quênia, encarregando-o do combate à corrupção oficial.

A tarefa revelou-se impossível, no entanto, ele renunciou após apenas dois anos.

Em 2015, quando outra crise de caça furtiva de elefantes atingiu a África, o presidente Kenyatta pediu a Leakey que assumisse novamente o comando do KWS, desta vez como presidente do conselho, um cargo que ocuparia por três anos.

O vice-presidente William Ruto disse que Leakey “lutou bravamente por um país melhor” e inspirou os quenianos com seu zelo pelo serviço público.

De fala mansa e aparentemente desprovido de vaidade pessoal, Leakey obstinadamente se recusou a ceder a problemas de saúde.

“Richard era um bom amigo e um verdadeiro queniano leal. Que ele descanse em paz”, postou no Twitter Paula Kahumbu, chefe do Wildlife Direct, um grupo de conservação fundado por Leakey.

(Exceto pelo título, esta história não foi editada pela equipe NDTV e é publicada a partir de um feed sindicado.)



Source link

Leave a Comment